Posted by: JPP | 29/11/2009

AUTOCOLANTES ANTI-MILITARISTAS

Ver a história destes autocolantes aqui:

(…) No Porto, reunindo regularmente no auditório da Coop. Árvore (que nos recebeu benevolamente e sem qualquer interferência nos trabalhos), começaram a reunir-se jovens em idade para cumprir o SMO mas que rejeitavam a imposição por motivos vários. Ao abrigo da Objecção de Consciência como principio constitucional (mas não regulamentado), iniciou-se uma actividade militante completamente fora dos circuitos políticos da época, muito imatura também, que se projectou em toda a região norte e causou grandes engulhos no recrutamento ao aparecerem milhares de objectores nos quartéis, já com os “papéis” para entregar e firmes no direito que sabiam ter.

Sessões semanais de esclarecimento foram feitas até 1982, então já em instalações próprias arrendadas à Coop.do Povo Portuense, participação na criação e dinamização da Associação Livre dos Objectores e Objectoras de Consciência (estrutura a nível nacional), distribuição de informação à porta do quartel  na rua de Serpa Pinto (onde se reuniam os mancebos chegados de fora do Porto), publicação dum revista divulgada em toda a Universidade do Porto, participação em actos e manif’s pela paz (inclusivé nas organizadas pelo PCP e pela Intersindical, habitualmente contra os mísseis americanos na Europa, dando lugar às habituais sarrafadas quando se exibiam cartazes contra os mísseis de ambos os lados da Cortina de Ferro), e muitos outras actividades efémeras, fizeram parte do meu quotidiano da época.

E se hoje trago este assunto é só porque aqui está exposto, para memória do país que fomos e de quem fomos, estes singelos autocolantes que se venderam (praticamente a preço de custo) às dezenas de milhar, impressos numa tipografia do pai do Miguel Tavares, armazenados no sótão da minha casa (onde eram policopiadas à manivela os exemplares da revista acima referida), e depois distribuídas pela cidade e pelo país numa rede informal de conhecidos que participavam localmente na divulgação do direito à objecção de consciência ao SMO. (…)


Responses

  1. […] este assunto é só porque aqui está exposto, para memória do país que fomos e de quem fomos, estes singelos autocolantes que se venderam (praticamente a preço de custo) às dezenas de milhar, impressos numa tipografia do […]


Deixar uma resposta

Categorias