Posted by: JPP | 19/12/2010

UM PROJECTO DO EPHEMERA – COMUNICADOS CONJUNTOS DAS ASSOCIAÇÕES DE ESTUDANTES (1960-1974)

Um projecto do EPHEMERA que estou a desenvolver é a publicação de todos os comunicados conjuntos das Associações de Estudantes de 1960 a 1974. Trata-se de um vasto conjunto de comunicados, a que serão associados alguns materiais anexos, (esta entrada “ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS” (1963) pode ser considerada  nessa categoria  dado representar a reacção dos estudantes ligados ao regime salazarista e à extrema-direita aos comunicados das AAEE na crise de 1962-3). Esses comunicados mudaram muito frequência e regularidade nestes quatorze anos, assim como na representatividade das Associações que os assinavam. Identificados como comunicados das AAEE, ou como comunicados da RIA (Reunião Inter-Associações), “comunicados federados”, etc, eles foram muito comuns na primeira metade dos anos sessenta, em particular nas crises de 1962, 1965,  e depois em 1969, para depois escassearem ou mudarem de carácter. Esta mudança deve-se à crescente esquerdização das Associações, que quebrou a unidade e a hegemonia do PCP no movimento estudantil até meados de 1968. A partir daí as actividades comuns das Associações de Estudantes sofrem uma quebra considerável, a não ser na luta contra a repressão. Passa a haver todo um novo tipo de assinaturas, com referência às reuniões estudantis que os aprovavam, plenários, meetings, assembleias, etc., com muitas vezes assinaturas competitivas e conflitos de legitimidade pelo controlo do texto e das palavras de ordem dos comunicados.

O número de associações e a sua distribuição geográfica também variam com o tempo. Embora a assinatura comum de “AAEE” seja utilizada, trata-se apenas das Associações de Lisboa, nalguns casos apenas as associações legalizadas, e raras vezes correspondem ao conjunto do movimento estudantil nacional, visto que não cobrem Coimbra (com uma Associação única) e o Porto, onde o movimento associativo legal era muito escasso, e onde predominavam associações sem estatuto legal.  na segunda metade da década de sessenta, já as assinaturas, como por exemplo “Associações de Lisboa”, já são mais precisas. No entanto houve sempre controvérsia sobre a possibilidade de alguns grupos estudantis participarem nas decisões colectivas, como acontecia com o MAESL e com alguns Institutos.

Todas as entradas relativas a esta série devem ser consideradas “em construção” e serão actualizadas sucessivamente à medida que as colecções de comunicados forem organizadas e completadas.


Deixar uma resposta

Categorias