EPHEMERA DIÁRIO (18 DE ABRIL DE 2020): O “PIFAS”

O PIFAS era a mascote do “Programa de Informação das Forças Armadas” transmitido pela Emissora Oficial da Guiné, e da responsabilidade da Repartição de Assuntos Civis e Acção Psicológica, por onde passaram militares importantes do MFA, como Otelo Saraiva de Carvalho ou Ramalho Eanes.
O Programa das Forças Armadas da Guiné era mais liberal do que a Emissora Nacional, transmitindo canções de autores proibidos, como José Mário Branco, Sérgio Godinho ou Zeca Afonso. Os locutores de serviço eram jovens politizados a cumprir o serviço militar, como  João Paulo Dinis (que teve um papel importante no 25 de Abril ao emitir a canção de Paulo de Carvalho, “Depois do Adeus”, o primeiro sinal para início das operações militares antes da senha “Grândola Vila Morena”), ou o Armando Carvalheda.

O PAIGC tinha também um programa de rádio, a “Rádio Libertação − A Voz do PAIGC”, que passava essencialmente mensagens de cariz político e música africana, mas também alguma música portuguesa proibida em Portugal.

O boneco existente no Ephemera está incompleto, pois o original tinha também um gravador e microfone.

(Joaquim Matos)

3 Comments

  1. Bem lembrado. O PIFAS era muito popular entre as Forças Armadas e a voz do João Paulo Dinis era a mais conhecida de todos. Boa lembrança de quem por lá esteve de 1970 a 1972.

Leave a Reply