ESPÓLIO MAURÍCIO PINTO / JUDITE MENDES DE ABREU

Casa em Coimbra onde se encontrava o espólio e que serviu de refúgio antes do 25 de Abril a vários perseguidos políticos, portugueses e das colónias.

*

Deu entrada por oferta no ARQUIVO / BIBLIOTECA um importante espólio com origem em parte da biblioteca de Maurício Pinto (outra parte tinha sido previamente doada)  e de Judite Mendes de Abreu . Agradeço aos Herdeiros de Judite Mendes de Abreu, assim como a Joaquim Barros de Sousa, que  intermediou os contactos, a oferta de tão valioso património, constituído por uma biblioteca e um acervo de papéis, manuscritos, periódicos contendo muitos documentos únicos com relevo e importância  não só para o o conhecimento das personalidades em causa, como para a história da oposição em Portugal, para o estudo do republicanismo, do movimento rotário, e para os estudos sobre  a Figueira da Foz  e Coimbra. Tal é possível de determinar , mesmo numa análise muito sumária do seu conteúdo. com cerca de trinta metros lineares.

Maurício Pinto (1884-1958) foi objecto de uma pequena biografia no Álbum Figueirense que cito:

Maurício Pinto fez o curso comercial na Figueira da Foz e tornou-se empresário. Investigador, historiador, escritor, actor dramático, apaixonado do saber e das coisas da Figueira da Foz, Maurício Pinto foi uma figura marcante do seu tempo. (…)  Republicano convicto, foi vereador da Câmara Municipal logo após a instauração da República, funções que viria a repetir mais tarde. Maçon, da Loja Fernandes Tomás, foi também fundador do movimento Rotário na Figueira da Foz. Apaixonado da Arte de Talma criou o Grupo Dramático Figueirense e o Grupo dos Simples tendo integrado o grupo cénico do Ginásio Figueirense. Experimentou, como actor, as tábuas do desaparecido Teatro Príncipe. Foi Provedor da Misericórdia da Figueira e teve responsabilidades directivas na Associação Comercial.

Colaborou muito com a imprensa e era amiúde convidado para ser palestrante sobre os mais diversos temas. Camiliano, coleccionava materiais respeitantes ao escritor romântico, tendo cedido o seu espólio para exposição nas comemorações do centenário de Camilo. Deixou várias obras, entre elas, talvez a mais conhecida, escrita em colaboração com Raimundo Esteves, “Aspectos da Figueira da Foz”.

Maria Judite Mendes de Abreu (1916 -2007), filha de Maurício Pinto,  teve igualmente uma longa vida na oposição à ditadura e no exercício de cargos públicos (na Figueira e em Coimbra) retratada nesta biografia de Joaquim Barros de Sousa que faz parte dos documentos que deram entrada em 2008 no ARQUIVO / BIBLIOTECA e transcrita nesta nota.

1-abr-09-fotografia-2

Clicar para ampliar.

Em breve se fará uma notícia mais detalhada sobre este espólio.

Seja o primeiro a comentar

Deixar uma resposta