NOTAS BIOGRÁFICAS DE JOÃO CAEIRO DE SOUSA (1924-2000)

EM CONSTRUÇÃO

FAÇA PARTE DA ASSOCIAÇÃO CULTURAL EPHEMERA © E APOIE O NOSSO TRABALHO. A FICHA DE INSCRIÇÃO ESTÁ NA PÁGINA INICIAL DO EPHEMERA

Ver  ENTRADAS: ESPÓLIO ESPERANTISTA DE JOÃO CAEIRO DE SOUSA

1924 (25 de Novembro) – Nascimento no Barreiro. Pai era empregado numa taberna, a mãe tecedeira na CUF.

  • Frequência da Escola do Bairro Operário e depois na do Professor Seixas.

  • 1936-1938 – Fez o 3º ano do Curso Industrial na Escola M. Castro.

  • 1942 – Entrou na CP como aprendiz. Na sua carreira na CP foi operário de vários graus, Chefe de Brigada, Contramestre, Contramestre A de Torneiros e Serralheiros, Analista de Trabalho, Agente de Métodos, Técnico Auxiliar e Técnico de Carreira (1981).
  • 1943 – Começou a distribuir o Avante! nas secções dos Torneiros.
  • Membro do PCP na clandestinidade.

  • 1945 – Serviço militar.
  • 1948 – Interessa-se pelo Esperanto no Luso Futebol Clube e teve como professor Joaquim Calado. Inicia uma carreira de militante esperantista que o leva a ter muitos contactos internacionais. Membro da Portugala Esperanto Asocia.

Correspondência esperantista.

  • 1956 – Membro do Grupo esperantista barreirense «Vekiĝo», existente desde os anos 40, e cujo endereço é o de sua casa.
  • 1957- Com o lançamento do Sputnik “apaixonou-se pela conquista do Cosmos” e inciou uma recolha de todo o material relativo ao espaço. Faz também um conjunto de modelos de naves e estações espaciais como a Vostok, a Saliut, Soyuz, e Soyuz-Apolo. Estas peças foram expostas várias vezes. Este espólio de João Caeiro de Sousa sobre a temática espacial (maquetas, recortes de jornais, selos, postais, carimbos, livros cassetes, moedas, etc.), foi doado à Câmara Municipal do Barreiro.

  • 1957-1962 – Trabalho na Biblioteca dos Penicheiros onde se passavam “às escondidas” livos como a Mãe e Assim foi Temperado o Aço.
  • 1958-1962 – Trabalha na Biblioteca do Sindicato dos Ferroviários do Sul de Portugal.
  • 1960-1962 (e depois de novo em 1970) ajudou à construção das pinhas em movimento para os Bailes da Pinha nos Penicheiros.

Correspondência de prisão. Postal do João Caieiro de Sousa e de sua filha Hermínia.

Bilhetes Barreiro – Caxias.

  • 1958 – Preso 37 dias em Caxias uma semana depois das eleições presidenciais de Humberto Delgado.
  • No ANTT:
“JOÃO CAEIRO DE SOUSA”

CÓDIGO DE REFERÊNCIA PT/TT/PIDE/E/010/118/23460

PIDE, Serviços Centrais, Registo Geral de Presos, liv. 118, registo n.º 23460

Apontamentos da prisão de 1962.

  • 1962 – Nova prisão, julgamento e condenação a 18 meses de cadeia, dos quais tinha já cumprido 8. Saiu com pena suspensa.
  • Trabalhou voluntariamente na Biblioteca do Luso Futebol Clube.
  • Devido a dificuldades económicas e “como as massas não abundavam para os trabalhadores em geral e os ferroviários em particular“, trabalhava aos sábados e domingos aos salvados e em várias oficinas.

  • 1974 (Depois do 25 de Abril) é eleito para a Comissão Administrativa da CP.
  • 1975

  • Participou em duas direcções da Cooperativa Popular Barreirense.
  • Autarca na Assembleia de Freguesia e no Concelho Municipal do Barreiro.
  • 1979

  • 1980 – Eleito para o Conselho Geral da CP..

  • 1980 – É cabeça de lista para a Comissão de Trabalhadores da CP e repete o mandato em 1982.
  • 1981

  • 1981 (25 de Abril) – Banca de propaganda esperantista.
  • 1982 (Agosto) – Aposenta-se da CP.

  • 1981 (Dezembro) – foi o impulsionador da atribuição do nome de Zamenhof a uma Praceta no Barreiro onde se levantou um memorial ao fundador do esperanto.
  • 1983

Carta da Redacção Portuguesa de Rádio Moscovo.

  • 1984
  • 1985-6 – Apoia a candidatura presidencial de Salgado Zenha.
  • 1986 (9 de Outubro) – Participa numa manifestação da Federação dos Trabalhadores Reformados Portugueses, falando em nome da Comissão Central de Reformados.
  • Homenageado pela CM Barreiro com o galardão do “Barreiro Reconhecido”
  • 2000 (5 de Setembro) – Falecimento O Avante! (14 de Setembro) referiu na sua nota necrológica que se encontrava organizado no Bairro 5 (Freguesia do Barreiro) e que “enquanto operário da CP foi destacado militante antifascista“.

Seja o primeiro a comentar

Deixar uma resposta