NOTAS DO ARQUIVO / BIBLIOTECA EPHEMERA

SUMÁRIO:

1- O TRABALHO INVISÍVEL E ATENÇÃO ÀS BASES DE DADOS

2. BARREIRO CIDADE DOS ARQUIVOS

3. VISITA DE RICARD DE VARGAS GOLARANS

4.  EPHEMERA NOS AÇORES (ILHA TERCEIRA)

5. TRABALHOS EM CURSO NO BARREIRO:

6. MELHORIAS NO ARMAZÉM DO BARREIRO

7.  ARMAZÉM DO BARREIRO É FOTOGÉNICO (NO OLHAR DO RUI SERRANO)

8.  DEBAIXO DA FAIXA DA “CORAGEM”

9. O ESPLENDOR DAS CAPAS ANTIGAS

1- O TRABALHO INVISÍVEL E ATENÇÃO ÀS BASES DE DADOS

Notas sobre o movimento estudantil na ESBAP (1975-6)

Há muito trabalho invisível no EPHEMERA, essencialmente em duas áreas: a actualização de pastas antigas e as bases de dados. As pastas no  EPHEMERA estão sempre abertas; quando aparece novo material, seja um panfleto, uma foto, um autocolante, um pin para uma pasta ela será actualizada, mas permanece no seu local original. Apenas são “puxadas” para a frente pastas que foram actualizadas de forma muito significativa, com muito material novo.

As bases de dados estão todas a crescer, excepto algumas que estão apenas abertas para haver um sítio para colocar novo material. Ainda não se chegou à altura de fazer actualizações retrospectivas, e apenas queremos que os novos materiais que entram possam já ser guardados de forma mais estruturada. Mas várias já se encontram entre os 100-500 itens, e crescem todos os dias. Por exemplo, começou-se já a fazer  um inventário das notas manuscritas de Teresa Patrício Gouveia, embora ainda sem digitalizações. Na mesma base de manuscritos estão a ser colocadas as notas  sobre o movimento estudantil em Arquitectura na ESBAP de Maria José Abrunhosa, e materiais do espólio do fotógrafo Mário Pinto. Na base de correspondência estão a ser colocadas cartas de agentes da PIDE e de suas famílias oriundas do Acervo Sousa e Castro. Na base de dados de fotografias, há novo material da guerra colonial. E por aí adiante.

2. VISITA À LER DEVAGAR DE RICARD DE VARGAS GOLARONS

Visitou-nos no espaço da Livraria Ler Devagar Ricard de Vargas Golarons, historiador, militante libertário, tradutor e autor de várias obras, que pertenceu ao mesmo movimento de Salvador Puig Antich, um dos últimos condenados à morte e executados na Espanha franquista.

3. BARREIRO A CIDADE DOS ARQUIVOS

(Em breve.)

4.  EPHEMERA NOS AÇORES (ILHA TERCEIRA)

5. TRABALHOS EM CURSO NO BARREIRO

O nosso “team musical”, “os da Beatlomania”, etc., liderado pelo Luís Pinheiro de Almeida, continua a organizar os fundos vastíssimos do Mundo da Canção. Estão a ser limpos, organizados e inventariados, sendo substituídas as caixas antigas deterioradas por novas. O Luís publicou esta semana um livro de cartas que enviou nos anos 60 com o título Com os Beatles Caro Jó, que, a julgar por algumas cartas lidas ao telefone, é um dos melhores retratos geracionais, culturais e de “mundo” da geração dos anos 60. A dificuldade de ler as cartas ao telefone é grande porque são tão divertidas e “vivas” que o riso é convulsivo. Vamos ter de apresentá-lo  em todos os nossos pontos de recolha, a começar pelo Barreiro. Urbi et Orbi.

 

6. MELHORIAS NO ARMAZÉM DO BARREIRO

Todas as terças-feiras estamos a trabalhar no Barreiro. E embora o armazém tenha uma relação temperatura-humidade apropriada, vamos entrar no Verão. Já temos frigorífico e agora uma espécie de samovar, para acompanhar a grande colecção de literatura russa.

7.  ARMAZÉM DO BARREIRO É FOTOGÉNICO (NO OLHAR DO RUI SERRANO)

8. DEBAIXO DA FAIXA DA “CORAGEM”

A faixa das Toupeiras que diz apenas “Coragem” é o local onde os nossos visitantes tiram uma fotografia de recordação da sua visita ao armazém do Barreiro do EPHEMERA.

Natal Vaz, Manuel e José Pedro Castanheira e António Caeiro.

Joaquim Barros de Sousa e amigos da Figueira da Foz.

Teresa Patrício Gouveia.

9. O ESPLENDOR DAS CAPAS ANTIGAS

Ao abrir sacos com revistas e livros dos anos 20-50, nunca nos cansamos de ficar surpreendidos com o esplendor das capas antigas. Como estas da Civilização:

10. ENTRADAS VÁRIAS PARA O ARQUIVO

SOCIEDADE AGRÍCOLA DO MONTAGRAL –  – Livro de posses da sociedade em Sobral do Monte Agraço 1972.

Manuscrito de José Pedro Dias Júnior, Do Monte à Liberdade. O Testemunho de Uma Vida, Alcochete Câmara Municipal de Alcochete, 2000.

Mais livros e revistas da biblioteca de Jaime Varela.

1 Comment

Deixar uma resposta