ESPECIAL “BEATLES NO BARREIRO” (FIM): AGRADECIMENTOS

EM ACTUALIZAÇÃO

O grande sucesso dos “Beatles no Barreiro” só foi possível pela colaboração dedicada de muitas pessoas durante várias semanas. A lista de agradecimentos que se segue é incompleta  e não tem nenhuma ordem:

 

À ADAO, que nos cedeu o espaço quer para a exposição dos Beatles, quer para a apresentação do livro e o espectáculo musical que se seguiu.

À Dora Martins  pela coordenação de toda a logística na Associação ADAO.

Ao Nuno Teixeira, que, com o Luís Pinheiro de Almeida, foi a “alma” do sucesso da noite. Sem ele, nada disto seria possível.

À Cláudia Sol, que ajudou na montagem da exposição.

À Carla Pacheco, que ajudou na montagem da exposição e que escreveu a folha de sala da exposição do Rui Serrano.

Ao Severo, que ajudou na electrificação das vitrinas e na montagem da exposição.

A todos os que cederam materiais para a exposição, Eduardo Pinto, Paulo Bastos, Paulo Marques, Duarte Vilardebó e Teresa Lage, assim como a Claúdia Ribeiro, que iniciou a secção dos Beatles no Ephemera.

Ao José Gomes, que ajudou em tudo.

Ao Rui Serrano, que não só fez a exposição do “Ephemera Eterna”, como funcionou como o fotógrafo “primeiro entre pares”.

 

À Bábá pelo quarto “surpresa” do seu filho Caetano, um fã dos Beatles.


À Gilda e à Alice da Tasca da Galega, que cuidam de nós como poucos e que já fazem parte da “casa”.

À Graciete, que tratou das contas com uma autoridade muito superior ao Centeno, ao Júlio e à Rita, que fizeram de tudo um pouco.

Ao Jorge Sol, autor do grafismo do cartaz com a foto do Rui Serrano.

Ao José Zaluar que leu as obscenidades das cartas do Luís ao Jó, sempre imperturbável. “Foi do catano”.

Aos nossos especialistas da Abbey Road, Filipe Barroso e Francis Mann.

Ao José Corte Real Sequeira, que veio contar o que significou ser Ringo por um dia.

Ao Renato Covas que nos lembrou que estamos há dois anos no Barreiro com um bolo magnífico.

Ao Álvaro Azevedo, que veio expressamente de Matosinhos para estar connosco.

À Família Pinheiro de Almeida, sem a qual o próprio ficaria desamparado.

A Frederico Rosa (Presidente da Câmara Municipal do Barreiro), Jacinto Pereira (Presidente do Conselho de Administração da Baía do Tejo), Sérgio Saraiva (Conselho de Administração da Baía do Tejo), que vieram como amigos dos Beatles , da Ephemera e da ADAO.

Aos nossos músicos, a começar pelo Fast Eddie Nelson, e a continuar pelo Duarte Vilardebó Loureiro, pelo Francis Mann e pelos Atlas.

A todos os amigos dos Beatles que fizeram bandas e músicas, ou que as interpretaram, representando a ecologia viva destes últimos 50 anos da música popular portuguesa.

E ao Luís Filipe Barros, que mexeu com toda a gente já ia alta a noite, com uma alegria daquelas que se pega à pele.

E como falta certamente gente, esta nota vai ficar uns dias em aberto.

1 Comment

Deixar uma resposta