NÚCLEO DO TEMPO DO EPHEMERA NA ESTAÇÃO CRONOGRÁFICA: Portugal há 165 anos – os nomes do poder e um rei chamado Amélio

Do facebook de Fernando Correia de Oliveira:

almanaque 1855 1

“Editado em 1854, o Almanach de Portugal Para o Anno de 1855 é elaborado pelo militar e político (foi deputado) Luiz Travassos Valdez (1816-1900), que anteriormente já tinha produzido as Listas Geraes, ou Almanachs, dos Officiais e Empregados do Exercito, Marinha e Ultramar (de 1842 e 1851). Escreveu ainda a Notícia sobre os Pesos, Medidas e Moedas de Portugal e suas Possessões Ultramarinas e do Brazil (1856).

O Arquivo Ephemera, no seu Núcleo do Tempo, possui um exemplar desse almanaque.

Lido aqui: Colaborador da Revista Militar, Luiz Travassos Valdez desenvolveu a sua actividade a partir de 1842 como Redactor, Autor e Coordenador de vários estudos – almanaques civis e militares. Esses estudos são de tal modo interessantes que além de notícias comuns encontramos outras menos vulgares que os tornam de grande interesse para serem consultados por investigadores de diferentes áreas. A eles recorreu Innocencio Francisco da Silva para redigir o seu Diccionario Bibliographico Portuguez. Foi durante alguns anos colaborador do Jornal do Commercio e no Diário Popular onde publicou em 1880 um estudo: Memoria Ácerca das Impressões do Governo, Obras Subsídiadas pelo Estado, Bibliothecas, Archivos, Boletins das Provincias Ultramarinas, Bibliographia Ultramarina.

Nas 703 páginas do Almanach de Portugal fica a saber-se o Quem É Quem do país há 165 anos. São centenas e centenas de nomes, espalhados pelos vários organigramas de uma nação em período conturbado de guerra civil. Reinava D. Pedro V, mandava no Governo o Duque de Saldanha. Entre Setembristas, Cartistas, Cabralistas… e o Rotativismo, antes da Regeneração e do Fontismo.

Mas também se ficam a saber outras coisas curiosas. Como quando era dia de Grande Gala ou de Pequema Gala. Que a população do Continente não chegava aos 3,5 milhões. Que ainda havia a Junta Geral da Bula da Cruzada. Que, quando o almanaque começou a ser escrito, Damasceno Monteiro era Presidente da Câmara de Lisboa. Mas que alterações à organização do território levaram à criação das câmaras municipais de Belém (o seu primeiro Presidente foi Alexandre Herculano) e dos Olivais. Por essa altura, era o Visconde da Trindade (José António de Sousa Basto) que liderava a edilidade do Porto.

amelio

Se tiver curiosidade de saber o nome completo de D. Pedro V, o almanaque revela-nos que, entre outros, era Amélio. Num curioso quadro, Luiz Travassos Valdez dá-nos as datas desde quando os reis de Portugal se passaram a intitular “do Algarve”, “d’aquem e Além Mar em África”, “Senhor da Guiné”, etc.”

Seja o primeiro a comentar

Leave a Reply