OS TRABALHOS E OS DIAS

 

Entradas: pichagens em Lisboa, cartazes da campanha eleitoral na Hungria, calendário do MRPP, livros, cartão de Boas Festas da guerra colonial, sindicalismo da Marinha Mercante no Reino Unido, desenhos de decoração da Casa Jalco, recortes de eventos da guerra colonial, cartas de Humberto Delgado, etc., etc.,

Recolhas activas em manifestações de cartazes artesanais.

Colocação de lonas e faixas em melhores condições de conservação no Armazem 3.

Com a preparação de sete exposições para as comemorações do 25 de Abril, em vários locais do país (Lisboa, Barreiro, Torres Vedras, Salvaterra de Magos, etc.) e  a manutenção de várias tarefas em curso, a recolha de ofertas e doações cada vez mais volumosa, a participação em debates e colóquios, a edição de novas publicações, todo o trabalho do ARQUIVO EPHEMERA que é , como se sabe, uma organização de voluntários está puxado até aos limites. Daí um menor ritmo de publicações que deve estar regularizado por volta da primeira semana de Maio.

Algumas das exposições com materiais do Arquivo Ephemera.

Montagem de exposição no edifício do Diário de Notícias, debaixo dos murais de Almada Negreiros.

Livro de Júlia Leitão de Barros sobre a Censura, a sair na Colecção Ephemera da Tinta da China, e capa da folha de sala da exposição.

Participação no debate sobre a escravatura (com Fernando Rosas) na Fundação José Sramago.

Com Carlos Moedas e Vasco Lourenço no anúncio do programa Abril em Lisboa 2022.

Visita à Biblioteca de Francisco Salgado Zenha na Universidade do Minho em Braga.

Colóquio sobre o movimento estudantil organizado pela Comissão do 50 anos do 25 de Abril..

Apresentação dos fundos do Ephemera no Colóquio “A Imprensa Estudantil: da Ditadura à Democracia” na Fundação Mário Soares (sem foto).

 

Seja o primeiro a comentar

Leave a Reply